Cuidando da sua saúde nas viagens | parte 1: durante o voo, por Dr. Marcelo Seidl Gomes

29.07.2016 | Bem-estar, Dicas, Voo

CA-viagem-ferias-saude-exterior-D-732x412

NO AR

A cada 604 viagens aéreas, uma pessoa passa mal e precisa de atendimento médico. Essa é uma das estatísticas captadas por uma das maiores análises de dados sobre emergências em voos já realizada. O estudo, publicado no respeitado periódico The New England Journal of Medicine, se baseia em informações de mais de 7 milhões de viagens domésticas e internacionais entre os anos de 2008 e 2010, que registraram 11.920 intercorrências com problemas de saúde.

As queixas principais, segundo este estudo, são relacionadas às síncopes (desmaios, perda da consciência), que podem ter inúmeras causas como:

  • Hipoglicemia: diminuição da taxa de glicose (açúcar) no sangue. Por isso, sempre alimente-se bem antes de uma viagem. No entanto, dê preferência para comidas leves e que você já esteja acostumado a ingerir.
  • Hipotensão: queda brusca da pressão arterial, que pode ser consequência de uma desidratação, problemas cardíacos (arritmias, infarto), alergias, uso de medicações para dormir, levantar-se muito rápido após longos períodos sentado, ou até mesmo fatores emocionais (ansiedade, pânico, etc). Portanto, tome bastante água, sucos, evite bebidas alcoólicas durante os voos e faça uma consulta médica antes de viajar, o famoso “check-up”. Além disso, nunca tome medicações sem o conhecimento de seu médico, principalmente se for algum tipo de tranquilizante. Esses medicamentos parecem inofensivos, mas podem trazer consequências sérias e acabar estragando o seu passeio. Para quem tem histórico de crises de ansiedade ou pânico, recomenda-se uma consulta médica prévia para obter informações mais detalhadas e orientações específicas como: medicamentos, exercícios de relaxamento, entre outros.
  • Problemas Neurológicos: AVC (acidente vascular cerebral) e convulsões são os principais e exigem atendimento médico imediato.

Além das causas mais comuns de “mal-estar”, ainda existem aqueles casos mais raros em voos, porém potencialmente sérios. Um dos mais importantes e que devemos ter bastante cuidado é a chamada Trombo-Embolia Pulmonar (TEP) – entenda: quando ficamos por muito tempo na mesma posição durante o voo, principalmente com as pernas dobradas, a circulação sanguínea nas nossas panturrilhas fica um pouco mais lenta. Os joelhos dobrados dificultam o retorno do sangue através das veias das pernas, aumentando o risco de formarem-se coágulos de sangue no interior dos vasos. Uma vez que isto ocorre, ao nos levantarmos, esse coágulo pode se deslocar e subir até prender-se em um vaso sanguíneo dos pulmões. Quando isso ocorre, chamamos de TEP, ou simplesmente Embolia Pulmonar. As consequências podem variar desde sintomas leves, como falta de ar discreta e desmaios, até formas graves de falta de ar, tosse com sangue e morte súbita. Procure imediatamente atendimento médico se tiver algum desses sintomas.

Para prevenir a TEP, evite ficar muito tempo sentado na mesma posição. Levante-se e mova as pernas de tempos em tempos, faça movimentos de “vai e vem” com os pés, ficando na ponta dos mesmos, para que suas panturrilhas trabalhem. O uso de meias elásticas pode ajudar, mas não diminuem a necessidade de caminhar nos corredores da aeronave.

De qualquer maneira, independentemente da causa, se você presenciar alguém passando mal, desmaiando na sua frente ou perdendo a consciência, algumas medidas podem ser tomadas:

1 – Peça para alguém ao seu redor chamar atendimento médico;

2 – Deite a pessoa em uma superfície rígida. Caso seja um simples episódio de queda de pressão, somente o fato de deitá-la já resolverá a questão;

3 – Se a pessoa vomitar, vire todo o corpo dela de lado, para que não haja o risco de aspiração (entrar conteúdo do estômago para dentro dos pulmões);

4 – Tente ouvir se ela está respirando, colocando o seu ouvido ao lado da boca ou nariz da pessoa;

5 – Tente palpar uma pulsação/batimento cardíaco (geralmente no pescoço ou virilha são os locais mais fáceis). Caso não haja pulsação, deverão ser iniciadas compressões torácicas (massagem cardíaca), sobre as quais deve-se ter treinamento para serem feitas.

Essas são algumas dicas para não estragar o seu passeio e fazer com que você aproveite o máximo dele! 🙂

Até breve, cuide-se e boa viagem!

Por Dr. Marcelo Seidl Gomes

Dr. Marcelo Gomes

Dr. Marcelo Seidl Gomes é médico, cirurgião geral e plástico. Contato: marceloseidlgomes@msn.com

 

LEIA MAIS:

10 DICAS PARA UM VOO MAIS TRANQUILO

Por Gabriela Maldaner

Deixe um comentário