O VALE DOS VINHEDOS EM 2 DIAS

26.05.2017 | Bento Gonçalves, Brasil, Destinos, Experiências Gastronômicas, Explorando as Cidades, Pinto Bandeira, Viagens Curtas, Vida Noturna

Entre Bento Gonçalves e Pinto Bandeira, no Rio Grande do Sul, estão concentradas grande parte das vinícolas gaúchas que foram construídas por imigrantes italianos provenientes da região de Veneto, na Itália. Com um solo fértil, muito trabalho e anos de aperfeiçoamento, transformaram a região na principal rota de vinhos e espumantes do país. Arrisco dizer que Bento é a nossa Toscana, um tesouro do qual sentimos um enorme orgulho. Quem conhece a Itália vai concordar comigo. ( é só rolar o post 😀 )

E não são apenas os vinhedos e as belas paisagens que fazem a gente ter a sensação de estar na Itália, é também o povo acolhedor que fala muito alto com as mãos abanando no ar, a arquitetura, as flores (milhares de espécies, lindas!), o clima, a gastronomia e o trem.

Pra quem chega no RS de avião, Bento fica a apenas 130km do Aeroporto Salgado Filho de Porto Alegre. O acesso ao Vale dos Vinhedos é por estradas bem sinalizadas. Alugando um carro com GPS é fácil e rápido. Pra nós, que temos a sorte de morar do ladinho, pode ser um excelente programa de feriado ou fim de semana. Acredito que devemos valorizar e desbravar o máximo que pudermos.

Eu tinha um certo preconceito com os vinhos brasileiros, achava caro em comparação ao produto que apresentava, mas não sabia que os impostos é que os tornam mais caros que os dos países vizinhos, o que afeta a competitividade de mercado. Também não conhecia a fundo os produtos. Sempre gostei dos vinhos italianos, chilenos, uruguaios e argentinos, porque considero um ótimo custo-benefício, uma baita injustiça com nossos produtores. Continuo gostando muito deles, mas conhecendo melhor os processos e desbravando as vinícolas nacionais fui me apaixonando. Os espumantes são fantásticos, temos muitas opções de altíssimo padrão e aprecio em especial nossos tintos merlot e cabernet franc.

Então queridos leitores, este post é acima de tudo, um convite a valorização do nosso produto. Aos amantes do vinho e da boa mesa, não deixem de explorar esse pedacinho da Itália que nos habita.

Já visitamos a região várias vezes e minha irmã Gabriela escreveu um post lindo aqui neste link.

Nesta oportunidade, em meados de abril, decidimos fazer uma road trip de amigas e passar a Páscoa por lá. Uma das minhas parceiras nesta viagem é fotógrafa (que sorte a minha!), então, a maior parte das belas fotos deste post são crédito dela. (conheça mais do trabalho da Sabrina Schneider aqui e aqui).

Nos hospedamos na Casa da Kaká, que reservamos pelo Airbnb. Bem localizada, com supermercado, conveniência e shopping próximos, cozinha completa, boas camas (para até 7 pessoas), banho quentinho, ar condicionado e um atendimento super cordial. Airbnb é sempre uma opção econômica e como a idéia era voar as tranças, só precisávamos do conforto básico pra dormir. Super indicamos para grupos de amigos. Outras opções você encontra aqui.

Começamos nosso roteiro pelos Caminhos de Pedra, que é patrimônio histórico do RS e rota original da época da imigração. Os seus 12km de extensão concentram vinícolas, restaurantes, atrativos naturais, produtos locais e os belos casarões centenários da época imigratória. Não foi nossa primeira vez ali, então tentamos explorar novidades.

Dica Volto Segunda

Como são apenas 12km, uma dica legal é que você pare no Centro de Atendimento ao Turista (uma casinha branca no início do caminho) pegue o mapa e com ele, faça todo o trajeto, sem parar, acompanhando os pontos e curtindo a paisagem. Assim você tem um apanhado geral. Lá do final, volte e então vá parando em tudo que interessar.

Nossa primeira parada foi na Casa da Confecção. Uma loja de roupas e acessórios em lã. Dá pra garimpar algum item bacana pro inverno. A Bina encontrou a tão procurada luva estilo “Jackie O” para dedos longos ehehehe.  Mas o atrativo maior está no entorno, uma casa em forma de pipa (que a Débora quer morar ehehe), outra casa antiga de madeira, um riacho e muito verde.

Seguimos pelo caminho até a Casa da Erva-Mate que é linda, tem um moinho original em pleno funcionamento e você pode fazer uma visita guiada conhecendo o processo de produção da erva-mate (produto usado pelos gaúchos pro mate ou chimarrão). É muito louco todo o processo e o ballet das máquinas. Depois da visita você pode provar um típico chimarrão :P. Pra quem não conhece, será uma experiência diferente! Na loja você pode ainda comprar alguns produtos ligados a ele.

Logo ao lado tem a Casa das Cucas.  Um lugar bonito com produtos gostosos. Só compramos cucas e seguimos o passeio. Mas se você estiver com fome ali é um bom lugar para um lanche.

Também paramos rapidinho na Casa da Ovelha, como já conhecíamos não fizemos o passeio ao Parque da Ovelha com os bichinhos (ordenha, tosquia, pastoreio, etc), só passamos na loja, que tem todos os produtos imagináveis feitos do leite da ovelha. Pra mim, o destaque da loja é o queijo pecorino. Esse é um dos pontos mais atrativos do caminho, especialmente pra quem viaja com crianças. Dar mamadeira pros filhotes e interagir com as ovelhinhas é uma aventura emocionante pros pequenos.

Imperdível Volto Segunda

Para o almoço escolhemos o Espaço Gastronômico Casa Vanni, especializado em culinária italiana. Um achado sob o comando da chef Jerusa Vanni, que tive o prazer de conhecer. A casa é linda, uma construção de 1935 (vou deixar as fotos falarem por si), tem lounges ao ar livre pra você degustar um bom vinho enquanto aguarda sua mesa.

Ao meio-dia funciona a la carte com cardápio de massas, risotos e seleção de carnes. É só chegar, não precisa reservar. À noite somente com reserva e menu especial. O atendimento é atencioso, rápido e os pratos são uma delícia. Além do belo jardim, tem espaço kids.

Pedimos um honesto merlot dos Caminhos de Pedra que harmonizou bem com nossos pedidos. O meu foi um tagliatelle ao sugo e manjericão que me deixou com saudade da Itália. Simples, mas com aquele sabor beeeem tradicional. As gurias pediram tagliatelle, talharim e nhoque de ricota, todos aos 5 queijos. Os pratos estavam deliciosos. Amamos TUDO neste lugar! <3

A fachada da Casa Vanni também é linda e no andar superior (bem na chegada) funciona um café, um espaço fofo com algumas delicadezas na decoração.

Sabrina, nossa fotógrafa, clicada pela Lih, na Casa Vanni.

Fique Atento Volto Segunda

Todos os contatos e referências você encontra ao final do post.

A tarde caiu uma chuva forte o que prejudicou um pouco o passeio. Mas paramos na Casa das Massas e Artesanto. Além da casa ser histórica (uma das que mais chama atenção no trajeto) ladeada por ciprestes italianos, a variedade de plantas e flores foi o que nos fez parar. O jardim é LINDO! E eles vendem além de artesanato, massas caseiras feitas no porão da casa.

Depois subimos na Vinícola Salvati & Sirena uma interessante casa de pedras octogonal no alto. Eles tem os vinhos dos Caminhos de Pedras por R$ 34,90. Mas pra mim o melhor da visita foi a degustação comandada pelo italiano Silvério. O Sil é uma figura rara que parece a wikipédia ambulante do vinho. Ele serve as taças e começa a descrever a cena, o momento, a comida, a sensação. Falando com propriedade, rápido, sem ponto e vírgula com aquele sotaque beeeeem italianão. Eu deveria ter filmado não consigo descrever, mas estava entretida com a experiência. Ele poderia ser tombado patrimônio da região. Sensacional! 😀

Débora contemplando a beleza do Caminho.

Silvério

Outro lugar lindo que vale a pena parar especialmente se tiver sol, é na Cantina Strapazzon, onde foram filmadas cenas de “O Quatrilho”. Como estava chovendo, desta vez não fomos. No post da Gabi aqui você encontra mais detalhes. Parada obrigatória.

Tem outros atrativos e restaurantes ótimos no Caminho, então vale a pena acessar o post BENTO GONÇALVES: UM PEDACINHO DA ITÁLIA AQUI NO RIO GRANDE DO SUL e ler todas as informações, especialmente se estiver indo pela primeira vez.

Por fim, saindo do Caminho passamos por esta vista. Com o clima nublado e com um pouco de fog parecia cena do fime “The Notebook”, você já assistiu? Mágico. 😀

Ainda conseguimos visitar a Vinícola Don Giovanni em Pinto Bandeira e fazer a última visita guiada com degustação do dia. Os espumantes são sensacionais nesta região. Se Bento é o berço do vinho, Pinto Bandeira é o berço dos espumantes.

Na chegada conhecemos uma simpática senhora chamada Beatriz Dreher que se ofereceu pra tirar uma foto nossa, conversamos um pouco com ela e entramos. Depois fomos descobrir que ela é a Dona Bita e é “apenas” a proprietária. Há uma produção de espumantes especiais em homenagem aos seus 70 anos que estão em processo de fermentação na garrafa por 70 meses, algo como 6 anos. É o lote especial Dona Bita 70 anos. Uma obra de arte engarrafada. A geladeira antiga da sala de degustação é uma relíquia que pertence a ela, um xodó que não pode ser vendido, embora chovam propostas de compra. São essas coisas que tornam tudo mais especial por lá. A simplicidade e gentileza daquela senhora (mesmo sendo a dona de tudo) me fez pensar que isso está diretamente ligado ao sucesso do vale. Povo sem frescura que trabalha muito e colhe os frutos.

Pro meu paladar, os espumantes brut (todos, sem exceção) e o cabernet franc são os melhores na Don Giovanni e foi o que comprei. Eles produzem também o famoso Brandy 12 anos, um destilado de vinho (tipo conhaque), intenso, de cor amarelada com alta viscosidade e teor alcoólico. Esquenta até a alma e vale a pena pra quem curte esse estilo de bebida. É o caso da Bina, que ficou encantada com aquele drink caliente.

Também conhecemos a Ana Taise que trabalha na Don Giovanni e foi uma querida, nos indicando as melhores baladinhas de Bento. E ela já conhecia o Volto Segunda o que foi uma grata surpresa! Então, quero deixar aqui um beijo especial e obrigada, Ana. Adoramos te conhecer.

A noite jantamos no Pizza Entre Vinhos. Que acerto! Nome curioso né? Mas logo na chegada você entende o conceito. As mesas ficam entre as estantes que exibem os vinhos e espumantes que a casa oferece para o jantar. Não tem carta de vinhos impressa. Um expert me acompanhou explicando as opções e acabei selecionando um AlmaÚnica merlot. Depois de escolher o rótulo, eles levam para a mesa uma versão climatizada da bebida. Perfeição de atendimento! A experiência de poder circular, olhar cada rótulo e acompanhar os preços é inesquecível.

Esperamos 1h30min por uma mesa, estava lotado e não fizemos reserva. Mas valeu cada segundo porque foi uma das melhores pizzas que já comi na vida. As crostatas de entrada com pesto de manjericão e nozes são divinas e a pizza, sem explicação. Pedimos as tradicionais 4 queijos e calabresa e a diferentona “Rota dos Espumantes”, feita de prosciutto crudo, figo e mozarela. Pensa em algo inusitado! Um delírio gastronômico! 😛 (mil estrelas pra esta pizza). Em uma das paredes o cardápio completo está escrito a mão em 2 rolos de papel pardo, adorei! Toques delicados como a conta em uma mini tote (bolsinha) de palha, muita criatividade, pizzas deliciosas e um conceito interativo fazem do Pizza Entre Vinhos um “must go” no Vale dos Vinhedos.

A pizzaria fica embaixo do tradicional Mamma Gema (outro “must go” ), restaurante do Altemir Pessali, que também é proprietário do Primo Camilo, em Garibaldi.

O plano era sair a noite, no bombado Bangalô Estação Club, que a Ana da Don Giovanni nos indicou, mas como saimos super tarde do Pizza Entre Vinhos (eram quase 2h) a fila já estava imensa e estávamos cansadas, então ficou pra próxima. Na mesma rua tem outros pubs legais como o Mr. Red Bistrô Pub e o Botequim São Bento. Fica tudo bem pertinho, dá pra circular e ver o que prefere. Como era Páscoa o movimento concentrou todo no Bangalô e a faixa etária na fila era beeeem jovem. De qualquer forma é por ali que a noite acontece pros baladeiros.

Acordamos cedo e fomos passear pelo centro de Bento, que é super fofo por sinal, pra achar uma cafeteria aberta em pleno domingo de Páscoa. A tarefa não foi fácil, mas encontramos uma simples que deu pro gasto. Em dias normais há mais opções.

Foi impossível não parar pra fotos nesta parede grafitada! 😉

Imperdível Volto Segunda

Ainda pela manhã fomos de novo até Pinto Bandeira na Vinícola Valmarino. Outra imperdível! A visita guiada não estava acontecendo por ser domingo de Páscoa, mas a degustação sim. O Vinício nos serviu gentilmente todos os produtos da bodega, explicando seus diferenciais e não pagamos nenhuma taxa. É uma vinícola familiar pequena, muito charmosa e conhecida pela qualidade dos espumantes. Ficamos quase 2 horas por lá conversando e degustando aquelas maravilhas! Sem pressa! Pra mim é uma das “Top 3” do Brasil. Sou fã da Cave Geisse e eles usam o mesmo terroir, acredito que isto explica grande parte da excelência dos produtos de ambas.

Terroir é uma palavra de origem francesa sem tradução em outro idioma. Significa a relação mais íntima entre o solo e o micro-clima particular, que concebe o nascimento de um tipo de uva, que expressa livremente sua qualidade, tipicidade e identidade em um grande vinho, sem que ninguém consiga explicar o porquê.

Deh

Pra mim o brut rosé é o mais delicado (meu preferido) e o Valmarino & Churchill o que tem mais complexidade no paladar. Do Moscatel ao Nature você faz um passeio por diversos tons, aromas e intensidades. Não vou tornar o post super técnico porque não sou expert, sou apenas muuuuito apaixonada, mas no site da Valmarino aqui, há uma descrição bem detalhada de todos os produtos e as melhores harmonizações de cada um deles.

Lih

Dos vinhos que degustamos lá, o nosso favorito foi o Cabernet Franc Ano XX safra 2014-2015.

Além da excelência dos produtos, as paisagens toscanas no caminho, uma construção amarela com grandes portas coloridas e parreirais infinitos, tornam a experiência ainda mais interessante. Amamos!

E esse cactus no caminho? Lindo demais!

A Cave Geisse, que mencionei acima, nós já conhecíamos. O relato está neste post. Embora eu quisesse muito visitá-la novamente, o tempo era curto e tínhamos hora marcada pra embarcar no trem, então preferimos conhecer a Valmarino. Das nossas experiências Geisse, Don Giovanni e Valmarino são imperdíveis. Se tiver tempo recomendamos que visite todas elas.

Conhecemos um casal paulista que nos deu 2 dicas gastronômicas super quentes, mas não tivemos tempo de conferir. Numa próxima quem sabe:

Restaurante Caldeira, do Rafael Caldeira, é pequeno e intimista. Mesmo com uma batida mais contemporânea, parece que você esta jantando na casa do chef, poucas mesas e uma comida típica italiana de comer rezando (descrição do casal que nos indicou). Disseram que experimentaram uma carne de panela feita de Ossobuco com polenta que é um prato típico da região de Lombardia na Itália, a carne desmanchava na boca com um tempero sensacional de ervas. Olhando o site fiquei morrendo de vontade de estar lá agora! Rafael nos aguarde aí pra próxima. 😉

Restaurante Sbornea’s, onde comeram o melhor tortei da vida.

A tarde fizemos o passeio do Maria Fumaça, o Trem do Vinho. Bem turístico! Me surpreendi com a organização, desde a reserva dos tickets (que você precisa fazer antecipadamente pela Giordani Turismo) até a limpeza dos vagões e estações. Tem, inclusive, um suporte para a sua tacinha descartável junto aos assentos. Me encantei pela viagem histórica através da narração dos tripulantes e de músicos locais que circulam pelos vagões interpretando clássicas canções italianas. A “bela polenta” até hoje habita meu inconsciente! Ehehehe.

Você retira o seu ticket na bilheteria da Estação Ferroviária de Bento, paga na retirada em até 3x no cartão de crédito. Ali na plataforma você recebe sua taça descartável, degusta vinhos e sucos de uva (não são produtos top mas isso não atrapalha o astral) e escuta um pouco de música italiana antes de embarcar. O trem sai apitando pontualmente e percorre 23km passando por Garibaldi e chegando em Carlos Barbosa. Nas 3 estações tem músicos interpretando canções típicas italianas o que dá uma animada nas paradas. Adoramos a dupla de meninas que cantava em Garibaldi, foi ali que a “bela polenta” grudou no cérebro. Hehehe. Também tem uma lanchonete com salgados gostosos nesta estação. O que salvou a pátria porque não tínhamos almoçado (embarcamos as 14h00). No final um transfer de ônibus te aguarda pra trazer de volta a Bento.

O mais bacana da viagem é a sensação de estar voltando no tempo ao embarcar em uma locomotiva do século XIX. A estação de trem e toda atmosfera que envolve o passeio são tão vintage que não precisaria de mais nada. O dia frio e chuvoso de abril deixou o clima mais cinematográfico.

Dica Volto Segunda

Se for meia estação prepare um casaquinho e se for inverno, empilhe todas as roupas que tiver. 😛 O vento encanado nas estações é de tremer o queixo.

Ao retornar a Bento, o ticket ainda te dá acesso ao Parque Temático Epopéia Italiana. Fica junto à estação. Ali você vai ser conduzido por túneis e cenários que narram a epopéia dos imigrantes italianos no Brasil. Uma estrutura bem montada e que cumpre sua função.

Ao sair dali, ainda fizemos um almo-janta na Casa Fracalossi nos Caminhos de Pedra, um Café Colonial farto com atendimento atencioso e quilos de polenta. Amamos! 😀 Infelizmente não temos fotos da mesa farta pra postar. A fome era tanta que esquecemos de registrar 😛

Assim encerramos “redondas” essa trip de 2 dias com muita música, gastronomia e vinho, matando a saudades da Itália. Seria esta a parte 1 de “Comer, Rezar e Amar” versão gaudéria? 😉

Obrigada às minhas queridas amigas:

Débora Spengler, pelas reservas, logística e por ser a melhor motora com a playlist mais incrível na sua nave 4×4; a Lilian Jacobs por ser habilidosa co-piloto e navegadora de GPS, que ainda faz o suculento chimarrão nosso de cada dia (e que por acaso também é enfermeira ehehe) e a Sabrina Schneider por tantas fotos lindas e papos culturais no banco traseiro. Vou guardar esses momentos com muito carinho no meu coração. Obrigada gurias! Já podemos planejar a parte 2 do filme? 

Salute a tutti!

REFERÊNCIAS

FOTOGRAFIA

Sabrina Schneider Fotografia 

E-mail: sabrina.schneider@live.com

Tel.: +55 51 98402-9829

IG: @sabrinaschneiderphotography

CAMINHOS DE PEDRA

Casa da Confecção 

E-mail: casadaconfeccao@gmail.com

Tel.: +55 54 3455-6418

Funciona diariamente das 9hs às 18h. / Não tem taxa de visitação.

Casa da Erva-Mate

E-mail: casadaerva_mate@hotmail.com

Tel.: +55 54 3455-6427

Funciona diariamente das 9hs às 18h. / Taxa de visitação R$ 5,00.

Casa das Cucas

E-mail: jenifergraef@hotmail.com

Tel.: +55 54 3455-6362

Funciona diariamente das 9hs às 18h sem fechar ao meio dia.

Casa da Ovelha

E-mail: comercial@casadaovelha.com.br

Tel.: + 55 54 3455-6399 / 3455-6317

Atendimento comercial pelo telefone e e-mail de seg à sex 8:00 às 12:00 | 13:00 às 17:00s.

Loja aberta diariamente das 09:00 às 17:30hs (loja). O Parque funciona das 09h30 com a última entrada às 16:15h.

Atrações do Parque da Ovelha:

  • Pastoreio de ovelhas com a utilização de Cães da raça Border Collie;
  • Amamentação de Filhotes com uso de mamadeiras e feito pelo próprio visitante;
  • Ordenha – Visualização e participação desta rotina diária de nossa fazenda;
  • Alimentação de ovelhas – Dar de comer à ovelhas adultas é educativo e muito divertido;
  • O Grande Rebanho – Movimentação diária de um lote de ovelhas para o galpão;
  • Passeio de Trator pela Fazenda e Parque de Esculturas;
  • Degustação – Momento para conhecer os produtos próprios e parte histórica cultural.

As atrações duram no mínimo 1h15. O ingresso dá acesso durante todo o dia com manutenção da pulseira e custam cerca de R$ 40,00/45,00 (valor da última vez que estivemos lá). Confirmar cronograma e valores na data da sua visita.

Espaço Gastronômico Casa Vanni

E-mail: contato@casavanni.com.br / jerusavanni@hotmail.com

Tel.: + 55 54 3455-6383 / 9143-0359

Café Pranzo Al Sacco de quinta a terça das 10h às 18h.

Restaurante Riso Pasta & Basta de quinta a terça das 12h às 15h30.

Casa das Massas & Artesanato

Tel.: +55 54 3455-6368

Funciona diariamente das 8h30 às 18h. / Não tem taxa de visitação.

Vinícola Salvati & Sirena

E-mail: contato@salvatisirena.com.br

Tel.: +55 54 3455-6400

Funciona diariamente das 9hs às 18h. / Taxa de visitação e degustação R$ 10,00 / pessoa.

Cantina Strapazzon

E-mail: strapazzon@caminhosdepedra.org.br

Tel.: +55 54 3455-6312 / 3455-6321

Funciona de segunda a sexta das 09h às 17:30h e finais de semana e feriados das 09h às 18h. / Taxa de visitação e degustação R$ 10,00 / pessoa.

Casa Fracalossi

E-mail: contato@casafracalossi.com.br

Tel.: +55 54 3455-6385 / 9605-0025

Café colonial e lanches de quarta-feira a sexta-feira das 10:30h ás 17h.

Almoço típico italiano nos finais de semana das 11h às 14h e café colonial e lanches das 15h às 17:30h.

A casa tem um espaço enorme para eventos, informações no site.

PINTO BANDEIRA / ROTA DOS ESPUMANTES

Vinícola e Pousada Don Giovanni

E-mail: vinicola@dongiovanni.com.br / atendimento@dongiovanni.com.br

Tel.: + 55 54 3455-6294 / 9691-7392 (turismo)

Funcionamento: de segunda à sexta-feira das 09h às 11h30 e das 13h às 16h, sábados das 09h às 17h30 e domingos/feriados das 09h às 13h. / Visita à vinícola com degustação de três rótulos R$ 25 / pessoa, revertidos em compras de vinhos e espumantes. Visita aos vinhedos com brinde ao pôr do sol (mínimo seis pessoas) R$ 40 / pessoa.

Vinícola Valmarino

E-mail: atendimento@valmarino.com.br / valmarino@valmarino.com.br

Tel.: + 55 54 3452-2135 / 3455-7474 / 99615-4882

Funcionamento: de segunda à sábado das 08h às 18h e domingos das 09h às 17h. As visitações internas às instalações funcionam somente durante a semana sob consulta. Envie um e-mail para Lindiane Brum no atendimento@valmarino.com.br e verifique os possíveis horários.

BENTO GONÇALVES

Pizza Entre Vinhos 

Site do grupo Mamma Gemma http://www.mammagema.com.br

E-mail: mammagema@mammagema.com.br

Tel.: +55 54 3459-1392

Funcionamento: de terça à sábado a partir das 19h.

Maria Fumaça

E-mail: mfumaca@giordaniturismo.com.br

Central de reservas.: +55 54 3455-2788

Incluso no ticket:

  • Passeio de Maria Fumaça;
  • Degustação de vinhos, sucos, espumante e biscoito colonial;
  • Transfer de deslocamento entre a estação de Bento Gonçalves e Carlos Barbosa;
  • Visita a Epopeia Italiana.

Valor: R$ 110,00 (3 x cartão).

Saídas do trem: neste link você pode reservar as datas e horários de saída disponíveis. Na maior parte dos dias vagos para os próximos meses as saídas são as 8h15 e as 15h.

Endereço da Estação Ferroviária: Rua Duque de Caxias 95700-380 Bento Gonçalves – RS

Por Angélica Maldaner

Deixe um comentário

6 comentários em “O VALE DOS VINHEDOS EM 2 DIAS”

  1. Elisa disse:

    O post tá Mara amiga! Congrats ????????????

  2. Sarah Gomes disse:

    Nossa adorei ver teu post de Bento, me deu saudades dos vinhedos, do caminho de pedras, da viagem de trem e de tudo nesse paraíso que é o nosso Rio Grande do Sul, parabéns!

    • Olá querida Sarah, tudo bem? Ficamos imensamente felizes com seu comentário. A opinião dos leitores nos dá muito gás pra continuarmos aprimorando a qualidade das informações. Obrigada pelo carinho e se quiser nos marcar no instagram e facebook em suas viagens ficaremos contentes de acompanha-la através das fotos. E qualquer dúvida ou sugestão estamos aí. Beijos da Galera do Volto Segunda.

  3. Cecilia maria moura locstel disse:

    Estive em Bento gonçalves onde passa um filme dos italianos que chegaram ao Brasil ,depois do filme contanto a chegada e o que eles fizeram no Bradil,com pinhao,vinhos etc,depois do filme,encenaçao,fomos degustar biscoito e vinho(Logo depois fomos para loja no mesmo lugar que vimos o filme e a encenaçao da familia italiana no Brasil
    MINHA PERGUNTA E:SE VCS SABEM O NOME DA LOJA TEM CREMES PRODUTOS MARAVILHOSOS
    GOSTARIA DE SABER O SITE,IMAIL OU TELEFONE P COMPRAR PELO SITE
    PODEM ME AJUDAR?

    • Olá Cecília tudo bem? Obrigada pelo seu contato. Uma loja que tem cremes e produtos cosméticos especiais feitos do leite da ovelha é na Casa da Ovelha. Aqui você consegue encontrar produtos pra comprar online: https://www.casadaovelha.com.br/loja-virtual/produtos/cosmeticos-e-linha-home

      Também tem, em frente à Casa do Chimarrão no Caminho de Pedras, a Casa das Cucas, ali eu lembro que tinha um stand com cosméticos feitos da uva, cremes e itens bem cheirosos. Mas não sei se ainda vendem e se há site. Algumas empresas, vinícolas também produzem cosméticos feitos da uva e derivados….mas no momento, que tem site, eu só recordo da Casa da Ovelha. Os cremes deles são ultra hidratantes.

      Um abraço e espero ter ajudado.
      Volte Sempre

      Angélica