Córdoba e Alta Gracia

05.05.2019 | Alta Gracia, Argentina, Córdoba, Destinos

Córdoba fez parte de nosso Roteiro Mercosul de 10 dias em que revisitamos Buenos Aires, conhecemos a peculiar Alta Gracia, a encantadora Colonia de Sacramento e por fim nossa querida Montevidéu. Não deixe de conferir no final do post os vários links das andanças do Volto Segunda pelos países vizinhos do sul. Vale investir um tempinho, tudo feito com muito carinho pra vocês. 😉

Entonces… por conta do curto tempo e dos muitos destinos que visitamos neste roteiro, destinamos dois dias para Córdoba e mais um para Alta Gracia. Aqui falamos um pouco de tudo, como ir, onde ficar, dicas para o dia, gastronomia e noite. Este post foi feito a três mãos pelas protagonistas da viagem. Buen provecho!

Para chegar em Córdoba, fomos de avião desde Buenos Aires (primeira parada), a uma distância de aproximadamente 700km da capital. Pegamos um voo rápido (1 hora e 10 minutos). Por ser uma rota bastante procurada pelos argentinos as opções são muitas, como LATAM e Aerolíneas Argentinas e outras companhias internacionais como Norwegian  e Andes Lineas Aereas. Fomos de Aerolíneas, pelo melhor custo-benefício na época. De São Paulo existem boas opções de voos diretos também.

Para mais detalhes e informações úteis dê uma olhada no post completo de O QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE VISITAR BUENOS AIRES. As indicações são praticamente as mesmas, o que muda é a localização, obviamente. Vale conferir. Em Córdoba, o clima é um pouco mais ameno que o da capital, mas não muda muito. O inverno é seco e o verão úmido, com dias quentes e noites frescas. Para saber o que vestir, não deixe de olhar O QUE LEVAR NA MALA PARA BUENOS AIRES da nossa stylist Angélica Maldaner, super completo. Ah, e no site do Cordoba Turismo você encontra mais informações do que fazer em cada estação do ano por lá. 😉

Dica Volto Segunda

Com relação a estadia, pesquisamos muito e a opção mais econômica foi o Airbnb. Ficamos numa travessa da Avenida Colón, zona mais central da cidade e fizemos praticamente tudo a pé. Do aeroporto optamos por Uber, pois o wifi era liberado no aeroporto. Você também pode pegar táxi e ônibus, que sai com frequência de 30 minutos. Para conhecer a cidade, o ideal é fazer a pé mesmo, mas pode ser legal alugar uma bicicleta. Táxis e ônibus são baratos e abundantes.

Já sabíamos que a Argentina não se resumia só a Buenos Aires, mas Córdoba nos surpreendeu, pois tem um charme todo especial. Com clima de interior e cercada por montanhas, é considerada a capital cultural das Américas. É a segunda cidade mais populosa e maior do país. Apesar da história e arquitetura imponente, tem um ar moderno, leve e jovem por conta dos universitários. Lá está a universidade mais antiga da Argentina, a Universidade Nacional de Córdoba.

Em dois dias exploramos basicamente a Área Central, onde está o Centro Histórico e a Nueva Córdoba, mais dinâmica e igualmente cultural. Ao andar pelas belas ruas da cidade, a bagagem histórica fica muito evidente, por conta da sua arquitetura advinda do colonialismo espanhol, familiar em muitos países latino-americanos. Não perde nada para grandes centros, com teatros, museus e programação cultural intensa, convive em harmonia com edifícios modernos e suas largas avenidas.

 

ÁREA CENTRAL

Praça San Martin

Recomendamos iniciar o tour pela Praça San Martin. Com seu melhor estilo espanhol, é um ponto de festividades e exposições onde, aos sábados à noite, dançarinos de tango fazem apresentações ao ar livre e oferecem aulas gratuitas. Aqui você encontra o centro de informações turísticas onde pegamos o mapa que nos guiou por toda Córdoba. Além disso, ao seu redor ficam os principais prédios históricos da cidade.

Quarteirão Jesuíta

Esse é o quarteirão mais pop da cidade, dedicado as origens espanholas e à memória dos jesuítas que estiveram ali por séculos. Foi declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco em 2000. Aqui está a Manzana Jesuita e reúne as principais construções históricas, como o Colégio Nacional de Monserrat, a Iglesia da la Compañía de Jesus, a Capilla Doméstica e a antiga sede da Universidade Nacional de Córdoba, que foi transformada no Museu histórico da Universidad Nacional de Córdoba. Ainda pertinho do quarteirão está a Cripta Jesuíta, um centro cultural subterrâneo onde acontecem exposições e apresentações.

Catedral de Córdoba

Colada a Praça San Martin,  a Catedral de Córdoba foi fundada em 1758 e levou mais de meio século para ser construída. Visitar sua Catedral e igreja matriz é um dos passeios mais procurados e é ponto de partida para o tour jesuíta. Ainda no centro, estão o Museu da Memória e o Centro Cultural Cabildo, que oferece diversa programação, como concertos e sessões de cinema. O Museu da Memória fica num prédio onde funcionava um centro de detenção e tortura de presos políticos. O lugar conta a história do país nos anos da ditadura militar.

El Patio Olmos

Se você gosta de conhecer centros de compras e dar uma paradinha para comer algo rápido, o Patio Olmos é uma bela opção. É o maior e mais belo shopping da cidade, e como tudo em Córdoba, transborda história. Já foi um colégio, fundado em 1909 e ativo até 1990. Com arquitetura deslumbrante e imponente, fica localizada numa das esquinas mais movimentadas da cidade. No fim de tarde as escadarias se tornam ponto de encontro entre jovens e famílias, que aproveitam o lugar para a convivência. E por volta das 20h, acontece o show das águas dançantes, um jogo de luzes projetado nas águas do chafariz com música instrumental. Muito popular tanto para turistas quanto para moradores. Para compras de objetos típico ou locais, vale conferir a conhecida Feirinha de Antiguidades que fica no bairro Guemes, mais ao sul do Centro, que abriga uma feira a céu aberto todos os fins de semana, atraindo os interessados por peças antigas e típicas da região.

Ainda na mesma área, há outros locais bacanas para conhecer como a Basílica Santo Domingo, o Monastério Santa Catalina e o Paseo de las Flores, uma espécie de calçadão, onde tradicionalmente se encontram lojas que vendem todos tipos de flores e conta com artistas como pintores e cartunistas locais, com ares de centro, bem old school.

 

NUEVA CÓRDOBA

Uma das áreas mais valorizadas da cidade, onde se concentra o melhor da gastronomia cordobesa, entretenimento e vida noturna. Fica mais ao sul do centro, e conta com museus e igrejas lindas. Deixe-se encantar pela sua história e arte.

Paróquia do Sagrada Coração dos Capuchinhos

A Paróquia do Sagrada Coração, igreja dos capuchinhos tem estilo neogótico e foi desenhada pelo artista e engenheiro italiano Augusto Ferrari. Sua arte é evidente nas inúmeras esculturas e detalhes ornamentais, tanto dentro quanto na fachada da Paróquia. Vale a visita por sua beleza e investir no tour guiado à torre com mirante, que custa 150 pesos. É indicada para quem possui bom condicionamento físico, pois as escadas possuem 148 degraus, em forma de espirais até em cima.

Palácio Ferreyra

O Palácio Ferreyra, construído em 1914, abriga mais de 400 obras de arte, na sua grande maioria de artistas argentinos. Conta com três pavimentos e oferece exibições de pintura, desenho, fotografia e escultura de artistas de Córdoba. Também é conhecido como Museu Superior de Bellas Artes Evita. Ganhou este nome após uma reforma em 2007, uma homenagem a Evita Perón, ícone nacional, atriz e líder política argentina.

Museu de Artes Emilio Caraffa

O prédio une uma edificação de características neoclássicas a uma mais contemporânea, tem um design arquitetônico moderno e funcional. Com exposições permanentes e itinerantes, conta com uma vasta coleção de artistas argentinos e estrangeiros de todos os tempos.

Parque Sarmiento

Um amplo parque muito usado pelas famílias para lazer e passeios, conta com um zoológico, anfiteatro, quadras e até pista de patinação. Quem gosta de área verde, a maior delas está no Parque Sarmiento que abriga ainda prédios governamentais, faculdades, um zoológico. Ainda colado ao Museu de Artes Emilio Caraffa encontra-se o Faro do Bicentenário, monumento semelhante a um farol localizado no Parque Sarmiento. Uma interessante praça onde 201 anéis enormes representam fatos históricos da trajetória argentina em homenagem aos 200 anos de independência do país.

Paseo del Buen Pastor

O Paseo del Buen Pastor é um centro cultural que conta com uma galeria de arte, um restaurante, um bar e até uma capela. Seu chafariz apresenta um show de águas dançantes, que atrai muitos visitantes e turistas e conta com jardins que ficam cheio de jovens estudantes que aproveitam o gramado para relaxar, ler ou conversar, aquela vibe universitária da cidade que já comentamos. Um bom local para finalizar o dia. Inaugurado em 2007, o local funcionou como um asilo de mesmo nome e uma prisão de mulheres.

Entre outros destaques turísticos da região está o Museu Palacio Dionisi. Fica em um palácio muito bem conservado, tem exposições tanto temporárias quanto permanentes, em especial com seu acervo fotográfico de artistas locais. Como vocês podem notar, museu é que não falta em Córdoba.

 

GASTRONOMIA CORDOBESA

por Maria Fernanda Tartoni

A gastronomia de Córdoba segue a linha do que encontramos em Buenos Aires, afinal é o mesmo país e os argentinos são muito ligados as suas tradições, que se repetem por várias cidades. Veja no post GASTRONOMIA EM BUENOS AIRES  pra entender um pouco mais.

Não podemos esquecer que cada cidade tem as suas peculiaridades! Uma delas sem dúvida, são as conhecidas empanadas. Ao provar as cordobesas, notamos de cara a diferença das tradicionais que encontramos em Buenos Aires, pois sua massa é mais fininha, leve e substancialmente recheada. Os gustos (recheios) são bastante variados, vão desde o tradicional jamón e queso (presunto e queijo) até combinações de cebola caramelada e milho. Todas muito saborosas e com preço justo. Abusamos de um lugarzinho peculiar pertinho do nosso apartamento, chamado “Jamon e Queso”, simples mas honesto.

Outra particularidade de lá é que eles gostam muito de comer cabrito, considerada uma especialidade da cidade. Encontramos esse prato em vários restaurantes e normalmente são feitos na grelha. Eu particularmente não sou uma apreciadora de carne de ovino, e vivo numa terra (Rio Grande do Sul) onde temos excelentes exemplares dessa proteína, mas experimentamos um cabrito muito gostoso no restaurante Rancho Viejo, um restaurante de assado estilo criollo. Vale conhecer, foi indicação de um primo que morou por lá e que aprecia a boa culinária.

 

Provamos também uma bela pasta rellena (massa recheada), no restaurante Alcorta Carnes y Vinos. Os argentinos adoram massa caseira, principalmente as recheadas como o sorrentino, uma espécie de ravioli de formato redondo e muito bem recheado. Aqui no sul, por estarmos próximos aos nossos hermanos, encontramos em algumas cantinas, não é novidade pra gente, mas é uma delícia e vale provar, para quem não teve a oportunidade. Outra opção para comer uma massinha honesta, num ambiente agradável e com preço justo é no Il Gatto , uma franquia espalhada pela cidade. É uma dica de refeição mais despretensiosa, mas prática. Vale para repor as energias, no meio das andanças pelas ruas de Córdoba.

Para os amantes dos doces, as padarias de lá são encantadoras! Para alfajores deliciosos, dê uma passadinha em um das lojas da La Panna, franquia de padaria-confeitaria, café e lanches onde você irá se deleitar. Achamos bem peculiar a proposta que se você comer no local é mais caro do que levar pra casa. Mas é assim mesmo. Vale a experiência.

Os apreciadores de um belo passeio gastronômico deve ser o Mercado Norte, que abriga cafés, barracas de frutas, especiarias, queijos e outras iguarias deliciosas que transformam o local em uma excelente escolha para se almoçar ou degustar um bom vinho. Como bons descendentes de espanhóis, os cordobeses adoram a sesta, ou siesta, que é uma breve cochilada no início da tarde, geralmente depois do almoço. Esse período de sono é uma tradição em alguns países, bela maneira de reverenciar uma boa gastronomia, não acham?

 

QUAL É A BOA DA NOITE?

por Aline Maldaner

Como a Elisa já contou, Córdoba é uma cidade universitária, e isso significa o quê? Que é um lugar perfeito para os baladeiros de plantão, uhuullll!

Nós estivemos na cidade de segunda a quarta e, por mais que no início da semana não haja tantas alternativas para dançar, tem um lugar que bomba e dá conta do recado, o Maria Maria. Um tradicional boliche (como chamam as danceterias na Argentina), que há mais de 25 anos embala as noites cordobeses. O espaço é amplo, com mesinhas na entrada, pista de dança, um segundo piso e 2 bares. Segunda-feira estava mais tranquilo, mas terça e quarta lotou. A pegada do lugar é diversificada. Na segunda tinha música ao vivo e era rock e na quarta tocou uma banda local de cumbia, a Tranka Style, muito boa. Quando as bandas terminam a festa segue animadíssima com DJ. Na pista de dança predomina o pop latino e o reggaeton até altas horas, tudo que a gente gosta! Nos acabamos na noite de Córdoba e ficamos com gostinho de quero mais. 😀

A partir de quarta, quinta, as possibilidades de bares e boliches são muitíssimas! E pra você ir bem informado, pedi para um amigo local algumas dicas do que está pegando na cidade. Segue sua gentil e super útil contribuição:

 

Zona de Chateau Carreras – onde estão os boliches mais conhecidos como Club Berlín, Cruz Espacio, Colono Club, entre outros.

Zona Güemes – onde está a maior concentração de bares (perto do Maria Maria) e os mais recomendados são a Cervejaria Cuatro Catorce, o Bar Favela para Habitar e o Parador Antares (uma proposta bem bacana dessa famosa cervejaria artesanal argentina). Em Nueva Córdoba, colado na Zona Güemes, há mais boliches como o Bartó e o Le Parc.

Zona San Vicente – aqui está El Monumental Sargento Cabral, o espaço cultural mais reconhecido da música popular cordobesa. Aí, todas as sextas-feiras se apresenta La Mona Jiménez, cantor que é referência máxima do quarteto, gênero musical popular de Córdoba. É algo bem tradicional, mas não para todos os gostos, então confira aqui  antes de ir.

Divirta-se! 😉

 

ALTA GRACIA

Quando pesquisamos o que fazer e onde ir em Córdoba, as dicas sempre nos levaram a alguns passeios curtos próximos, estilo bate-volta. Escolhemos Alta Gracia, por ser bem próxima, uns 45 minutos de Córdoba. Além disso, o que nos despertou interesse foi o fato de ter sido lar temporário de um ilustre morador, Ernesto Che Guevara. É um destino recomendado também para quem busca explorar o turismo religioso, por conta da presença jesuítica da região.

Com um clima bucólico, a cidadela em alguns pontos tem um ar de filmes de suspense. Uma situação curiosa foi o encontro que tivemos com um perrito (cãozinho) para lá de esperto. Apareceu do nada e nos acompanhou por vários momentos, como um guia, que parecia já saber onde estávamos indo, antes mesmo de chegar. Talvez por ter poucos pontos turísticos ou as pessoas frequentarem os mesmos lugares, a impressão que dava era que ele estava literalmente nos guiando, ou até mesmo nos protegendo. Uma experiência diferente. Temos algumas fotos mais a baixo (Parque García Lorca).

Museu Che Guevara

Museu Che Guevara, uma antiga casa onde ele onde viveu durante seus primeiros anos de vida. Apesar de ter nascido em Rosário, Argentina, passou boa parte da infância em Alta Gracia, por recomendação médica, pois sofria de ataques de asma. Seus pais buscaram um local mais alto, com clima serrano para tratar dessa condição. Pra quem não sabe, Ernesto Che Guevara foi um dos líderes políticos mais influentes da sua época, transformando-se no emblema do revolucionário latino-americano. Um exemplo de rebeldia contra o sistema, entrega aos ideais socialistas e inspiração romântica para muitos.

Museu Manuel de Falla

Alta Gracia também teve outro morador conhecido, cidade a escolhida pelo famoso compositor espanhol Manuel de Falla para viver os últimos anos de sua vida. Em homenagem a este renovador da música hispânica, cujos trabalhos incluem “El Amor Brujo”, “O chapéu de três pontas” e “La vida breve”, Alta Gracia abriu o museu para lembrar sua passagem pela região , suas obras e sua vida. Ele permaneceu lá do final de 1942 até 14 de novembro de 1946, no dia em que morreu.

Parque García Lorca

Espaço destinado a preservar a fauna e flora da região, bem como um lugar de lazer e recreação em meio a natureza. O Parque Federico García Lorca é composto por uma piscina olímpica, área de camping com todas as comodidades e circuito de bicicleta. É o espaço onde você pode desfrutar do ar livre e limpar a mente, um momento relax.

Museo Nacional Estancia Jesuítica de Alta Gracia

Completando mais um local para conhecer mais da história jesuíta pela região, o museu tem sua sede na residência da Estância Jesuítica do século XVII, que integrou o capacete do Estatuto Jesuíta de Alta Gracia. Seus aposentos são ambientados com objetos que traduzem a vida cotidiana e a maneira de trabalhar de Córdoba e regiões serranas nos séculos XVII, XVIII e XIX. Desde 2000, a Estância de Alta Gracia, como parte do sistema econômico cordobês, é Patrimônio da Humanidade. A parte mais bonita do museu é a arquitetura, com seus lindos arcos e vastos jardins. O cenário é encantador, tanto que estava rolando um ensaio fotográfico por lá, o que deve acontecer com frequência.

Ah, e não esqueça da siesta! Se programe para comer antes das 15h, pois os restaurantes, bares e cafés fecham a partir deste horário e só voltam a barir por volta das 20h.

Caso tenha mais tempo para dedicar a região, existem algumas opções de passeios próximos a Córdoba, recomendados pelos argentinos, como Vila Belgrano, onde há a Festa da Cerveja, que acontece no mês de Outubro por conta da Oktoberfest e Villa Carlos Paz, região submersa meio das montanhas, beirando o Lago San Roque. Sierras, spas, hotéis e restaurantes de primeira classe transformaram Villa Carlos Paz na segunda cidade turística do país. Outro local bem conhecido é La Cumbrecita, patrimônio da Unesco e a primeira vila pedestre da Argentina. Dizem ter um clima mágico, com esculturas de duendes e cogumelos por todos os lados. Conta com trilhas que te levam a cachoeira, mirantes, fontes de água mineral e contato total com a natureza. Ainda próximo você encontra Los Molinos, região do lago homônimo. É possível alugar um caiaque para remar no lago e depois saborear uma parrillada local. Muitas opçoes!

E então, bora explorar Córdoba e seu encantos?

LEIA MAIS:

O QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE VIAJAR 

ROTEIRO DE 3 DIAS EM BUENOS AIRES

ONDE COMPRAR EM BUENOS AIRES

FUTEBOL, UMA PAIXÃO ARGENTINA

FUERZA BRUTA “WAYRA” – BUENOS AIRES, ARGENTINA

FAZENDO A MALA: O QUE VOCÊ NÃO PODE ESQUECER | PARTE 1

FAZENDO A MALA: O QUE VOCÊ NÃO PODE ESQUECER | PARTE 2

FAZENDO A MALA: O QUE VOCÊ NÃO PODE ESQUECER | PARTE 3

O IMPERDÍVEL DE MONTEVIDÉU, URUGUAI

COMO EXPLORAR COLÔNIA DO SACRAMENTO – URUGUAI

A GASTRONOMIA DE MONTEVIDÉU – DIVERSIDADE E TRADIÇÃO

URUGUAI, A TERRA DOS VINHOS TANNAT

INFORMAÇÕES BÁSICAS DE MONTEVIDÉU – URUGUAI

FAZENDO A MALA PARA O FRIOZINHO DE MONTEVIDÉU

ONDE FICAR EM MONTEVIDÉU – URUGUAI

O QUE CONHECER EM MONTEVIDÉU – URUGUAI

COMPRAS EM MONTEVIDÉU

“LA MOVIDA” DE MONTEVIDÉU – URUGUAI

URUGUAI, O PAÍS DO ROCK, DA CUMBIA E DA MURGA

O QUE LEVAR NA MAL PARA BUENOS AIRES 

GASTRONOMIA EM BUENOS AIRES

 

Por Maria Elisa Tartoni

Deixe um comentário